Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘influência nas vitrines’

H&M approached us to collaborate, and see if we could translate the dream we created at Lanvin to a wider audience, not just a dress for less. I have said in the past that I would never do a mass-market collection, but what intrigued me was the idea of H&M going luxury rather than Lanvin going public. This has been an exceptional exercise, where two companies at opposite poles can work together because we share the same philosophy of bringing joy and beauty to men and women around the world.”  (*)- Alber Elbaz, diretor criativo da Lanvin.

Alber Elbaz, diretor criativo da Lanvin, que fará parceria com a H&M. Serão desenvolvidos produtos para o público masculino e feminino.

Parcerias da H&M até hoje: Karl Lagerfeld (o primeiro, em 2004), Comme des Garçons, Sonia Rykiel, Viktor & Rolf, Roberto Cavalli, Stella McCartney, Jimmy Choo.

Vitrine da Lanvin

Sempre provocativas, as vitrines da Lanvin apostam na cenografia

Uma das nossas favoritas, com total inspiração de Marilyn Monroe

Fotos das vitrines: Vitrine RG

(*) “H&M nos sondou sobre uma colaboração e para verificar se seria possível traduzir o sonho que criamos na Lanvin para um público maior, não apenas sobre uma maneira de fazer algo mais barato. Eu disse no passado que jamais faria uma coleção voltada para o mercado de produção em massa, mas o que me deixou mais intrigado foi a idéia da H&M se envolver com o mercado de luxo ao invés da Lanvin se tornar popular. Tem sido um exercício excepcional, onde duas empresas em pólos opostos podem trabalhar unidas porque dividem a mesma filosofia de levar alegria e beleza aos homens e mulheres ao redor do mundo.” (tradução livre)

Read Full Post »

A informação chegou por diversos veículos: o mercado de luxo no país crescerá 23% neste ano. Dentre as 95 empresas que participaram da pesquisa realizada pelas consultorias MCF e GfK, 39% apontou um faturamento maior do que o previsto ano passado. Surpreendente, principalmente quando o fantasma da crise assombra o varejo em vários segmentos, tanto aqui no Brasil, quanto no exterior.

De fato, o faturamento do mercado de luxo no país não parou de crescer desde 2006, quando as cifras apontaram para o valor de R$ 8,4 bilhões e em 2009, para os impressionantes R$ 12,3 bilhões.  A previsão para 2010 é de R$ 15,1 bilhões.

A previsão de investimentos do segmento de luxo em 2010 é de US$ 1,21 bilhões, um pouco abaixo do investimento no ano passado (US$ 1,24 bilhões), mas o mais interessante é como as empresas pretendem investir tal orçamento. Em primeiro lugar, representando 16% do investimento, temos a comunicação com os clientes, seguida pelos eventos (15%), novas lojas (12%), imagem da marca (9%), produção (9%), marketing geral (8%), sustentabilidade (8%), entre outros.

Quando olhamos para as previsões de investimento acima, só podemos celebrar! Sabemos que as empresas do segmento de luxo possuem uma maneira totalmente única e especial de expor seus produtos em vitrines e, principalmente, de encantar e seduzir seus clientes no interior de suas flagship stores, que são verdadeiros centros de entretenimento e uma oportunidade única do consumidor experimentar a marca, “mergulhar” nela (não é a toa que a flagship store da Louis Vuitton, em Paris, é conhecida como “The Experience“, a experiência).

"The Experience", a flagship store da LV, empresa que é considerada referência no segmento de luxo no mundo. A loja fica na Champs Elysées, em Paris.

Já estamos na torcida para que a cultura das empresas de luxo que pretendem investir no mercado brasileiro influencie nossas empresas, principalmente os setores de marketing, visual merchandising e comunicação com o cliente. Sabemos que não é possível comparar cifras, mas adoramos sonhar com a possibilidade de ver o consumidor brasileiro experimentando uma nova emoção a cada loja, a cada vitrine, como sabemos que acontece no exterior. Afinal, é assim que as marcas se comunicam, despertam o desejo em cada um de nós, ainda que não seja possível adquirir seus produtos (ou pelo menos todos aqueles que gostaríamos de ter).

Vitrine da Louis Vuitton: não é preciso muito para causar grande impacto e chamar a atenção

Também esperamos que os investimentos das marcas de luxo internacionais na comunicação com seus clientes brasileiros se traduzam em vitrines mais emocionantes nas lojas já existentes no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro (em geral, as vitrines se resumem aos manequins com as roupas da estação, sem nenhuma cenografia especial, ou instalção que chame a atenção).

E nós estamos aqui, prontos para sonhar em frente a cada vitrine; sorrir ao descobrir cada detalhe com o qual nos identificamos dentro de um loja. Um verdadeiro exercício de sedução que combina perfeitamente com o perfil passional do povo brasileiro.

Informações sobre o mercado de luxo brasileiro: Folha, Portal de Branding

Mais sobre a trajetória do mercado de luxo no Brasil: Modalogia

Read Full Post »